Skip to Content

Marketing de Conteúdo: do zero a estratégia

máquina de escrever

Saiba o que é marketing de conteúdo e como a estratégia ajuda você a nutrir leads valiosos.

Você está pronto para desvendar os mistérios que giram em torno do Marketing de Conteúdo? Não é segredo que a estratégia deixou de ser tendência para se transformar em uma queridinha dos principais gestores de marketing e comunicação das empresas – seja no cenário B2B ou B2C. No fim das contas, quem quer continuar relevante para seus clientes, precisa produzir conteúdo relevante. 

Hoje, a discussão não é mais sobre estar ou não na internet, mas como se posicionar nessa plataforma, sempre buscando garantir a atenção do público-alvo e o engajamento dos consumidores (ou seguidores). Para isso, é impossível descolar-se de uma estratégia de Marketing de Conteúdo potente, que é feita para reter o olhar dos clientes que realmente importam. 

Se você ainda se sente inseguro com a sua estratégia de Marketing de Conteúdo ou não domina o conceito por completo, preparamos esse guia definitivo para que você aprenda tudo de essencial – e comece a notar a diferença nos resultados.

  1. O que é Marketing de Conteúdo;
  2. Por que investir em Marketing de Conteúdo;
  3. Como o Marketing de Conteúdo ajuda a nutrir leads;
  4. Como fazer Marketing de Conteúdo;
  5. Como um CRM ajuda a melhorar o seu Marketing de Conteúdo.

Marketing no WhatsApp

Neste guia, você descobre os fundamentos do marketing conversacional e como o WhatsApp tornou-se a plataforma mais popular dessa estratégia para empresas e clientes.

marketing no whatsapp

O que é Marketing de Conteúdo?

Marketing de Conteúdo é uma estratégia focada em engajar seu público e crescer sua rede de clientes e potenciais clientes por meio da criação de conteúdo relevante e valioso. Você atrai, envolve e gera valor para as pessoas de modo a criar uma percepção positiva da sua marca e, assim, gerar mais negócios.

Primeiro, entenda que a comunicação publicitária hoje não conta com espectadores passivos. Pelo contrário, graças à transformação digital e às redes sociais, os anúncios e propagandas nunca foram tão interativos. Se o público gostou ou não, a opinião vai chegar até a empresa via internet em apenas algumas horas.

Apesar do cenário dificultar (um pouquinho) a estratégia de marketing das empresas, ele permite que a marca e o público criem um relacionamento único, graças à produção de conteúdo. E quando falamos de conteúdo, não queremos dizer somente artigos virtuais como este, ok? Pegue o exemplo da própria Salesforce e perceba que produzimos conteúdos de vídeo, infográficos, webinars e muito, muito mais.

Nesse sentido, se você navegar alguns minutos pelo nosso blog ou Centro de Recursos, vai se dar conta de que nem todos os nossos conteúdos são focados diretamente em vender nossos serviços.

Na verdade, produções como o blogpost Omnichannel: o que é e como implementar? e materiais ricos como o white paper Plataformas de Dados dos Clientes são focados em estimular o conhecimento do usuário, assim como apresentar-lhe as melhores técnicas e dicas para que ele melhore os resultados na sua respectiva companhia. 

O bom conteúdo não é focado em vender, mas em trazer algum benefício para quem o lê, como resolver um problema, esclarecer uma dúvida ou ensinar algo. A venda é apenas uma consequência desse processo. Dessa forma, o conteúdo que você cria não é apenas útil, mas passa a mensagem certa ao público certo no momento que ele mais precisa! 

LEIA MAIS: KPIs de Marketing Digital: como definir e monitorar

Por que investir em Marketing de Conteúdo?

Além de aumentar o conhecimento que o público tem sobre a sua marca e fortalecer o relacionamento com os clientes, o Marketing de Conteúdo também: 

Impulsiona o tráfego do seu site

Produzir conteúdo relevante é a melhor forma de colocar seu site na primeira página do Google, onde ele será encontrado pelo seu público de interesse – ou pessoas que compõem o seu ICP (Ideal Customer Profile). No fim das contas, o Marketing de Conteúdo pode acabar sendo o primeiro contato que um cliente em potencial tem com o seu negócio.  

Um leitor assíduo de seu blog, por exemplo, vai preferir a sua marca quando precisar comprar um produto ou serviço. Afinal de contas, ele já te conhece e você o ajudou diversas vezes com seu conteúdo.

Aumenta o engajamento com a marca


Enquanto o brand awareness aumenta a quantidade de pessoas que conhecem e possuem uma percepção positiva de sua marca, o engajamento busca construir um relacionamento próximo e constante com uma audiência mais seletiva. 

Produzindo conteúdo de qualidade, você aumenta as interações das pessoas com sua marca, criando esse engajamento. O resultado disso são clientes promotores que a recomendam e até a defendem nas redes sociais e outros tipos de fóruns de discussão. 

Ensina ao mercado quem é a sua empresa é e o que faz


Muitas vezes, o mercado em que você está inserido – ou deseja se inserir – não tem uma ideia clara sobre quem é a sua empresa e quais soluções ela oferece. Essa mesma ideia pode ser estendida para os clientes. 

Nesse caso, o ideal é produzir conteúdo que responda às dúvidas existentes e ensine os usuários tudo que precisam saber para tomar a decisão de compra por si mesmos. Se o seu conteúdo for realmente de qualidade, você vai quebrar objeções e aumentar a satisfação dos clientes.

Cria novas oportunidades de vendas


Você já deve ter entendido que gerar vendas diretas não é o objetivo final do Marketing de Conteúdo, né? No entanto, isso não significa que a estratégia não impacte o setor de vendas positivamente. Aumentar o número de vendas, nesse caso, significa focar sua produção de conteúdo para guiar os leads por todo o processo de compra e prepará-los para a tomada de decisão.

LEIA MAIS: Nutrição de leads: dicas e técnicas

Melhora a geração de leads


Ok, você já tem visitantes no seu site. Mas sem informações sobre eles, você não conseguirá enviar o conteúdo certo para transformá-los em oportunidades e colocá-los em contato com um vendedor. É por isso que gerar leads é o objetivo principal da maioria das empresas que apostam no Inbound Marketing e no Marketing de Conteúdo. 

Aumenta o LTV


O Lifetime-value (LTV) é o valor total que um cliente gasta em sua empresa como um todo. Por exemplo: se seus clientes compram em média duas vezes um produto de R$50,00, o seu LTV é de R$100,00. Todo dono de empresa sabe que é mais barato vender de novo para um cliente atual do que trazer um novo cliente. Então, usar uma estratégia de conteúdo com esse objetivo é uma boa jogada porque mantém o cliente engajado com a sua empresa.

Vale lembrar que você pode usar vários tipos de conteúdos no pós-venda, como newsletters exclusivas para clientes, landing pages, webinars, podcasts ou – claro! – artigos de blog.

Ajuda a reduzir o CAC

O CAC, ou Custo de Aquisição de Clientes, é uma métrica que aponta o valor que você investe nas áreas de Marketing e Vendas para conseguir um novo cliente. Se conquistar um novo cliente é barato, a receita gerada por ele cobre as despesas criadas até ali e ainda dá lucro. Por isso, o objetivo de qualquer empresa é que seu CAC seja o mais baixo possível.

Mas o que isso tem a ver com Marketing de Conteúdo? Bem, o que acaba acontecendo é que, para diminuir o CAC, grande parte das empresas mantêm um grande time comercial focado em prospecção e injeta dinheiro em mídias pagas para conseguir novos clientes. Essas ações dão resultado sim, mas também resultam em um CAC alto. 

Com uma estratégia de Marketing de Conteúdo você reduz o CAC fornecendo materiais que acabam com as dúvidas dos clientes na hora da compra e munindo seu time de vendas com ebooks, webinars e outros conteúdos que podem diminuir o processo de vendas.

Você ainda pode utilizar o Marketing de Conteúdo para treinar sua equipe de Vendas, melhorar a conversão das suas leads, construir autoridade no mercado etc., só para citar alguns benefícios.

LEIA MAIS: Conteúdo para alavancar as vendas: dicas práticas

Como o Marketing de Conteúdo ajuda a nutrir leads?


Uma coisa é certa: quando pensamos em conteúdo, pensamos principalmente em blogs. Porém, o conteúdo pode assumir várias formas, incluindo e-books, guias, estudos de caso, kits, modelos e listas de verificação, vídeos, podcasts, webinars e muito mais. O importante é que o conteúdo seja valioso e relevante.

É assim que o Marketing de Conteúdo gera leads – utilizando estes formatos mencionados acima para:

  • Atrair os visitantes certos para o seu site (dentro do seu mercado-alvo, com potencial para se tornar leads de qualidade);
  • Manter os visitantes envolvidos o suficiente para estarem dispostos a compartilhar informações sobre si mesmos (e, assim, tornarem-se leads qualificados);
  • Continuar a manter os leads engajados através da nutrição – com conteúdo relevante e abordagens de sua equipe de vendas – até que se convertam em clientes;
  • Gerar compartilhamentos sociais e links de inbound (para atrair ainda mais os visitantes certos);
  • Estimular uma forte consciência de marca, que vai atrair a preferência de marca e influenciar futuras compras.


Como desenvolver uma estratégia que gera leads para sua empresa?


Estabelecer o objetivo geral de sua estratégia é um dos primeiros passos para garantir a eficácia de seu conteúdo. Sua empresa deve concentrar-se em uma meta única, clara e alcançável – algo como “gerar mais leads de qualidade para passar para vendas e marketing”.

Além disso, é importante definir seu público-alvo; decidir sua estratégia de conteúdo

desenvolver ideias de conteúdo e tópicos que se alinhem com sua mensagem central. 

Você também deve segmentar seu público-alvo, de preferência segmentos distintos com base na persona e no estágio da jornada do comprador em que seus leads se encontram.

A seguir, é hora de criar um conteúdo incrível: um conteúdo valioso é acionável, orientado por dados e bem escrito. O Marketing de Conteúdo gera leads quando engaja e provoca uma identificação junto aos seus clientes potenciais, apela à emoção e mostra que há solução para as suas dores. Quando é compartilhável e faz valer a pena a abertura de seus e-mails marketing.

Depois, é preciso identificar formatos de conteúdo e canais de distribuição: descubra onde seus conteúdos vão ser encontrados por seus leads potenciais. Em seguida, encontre formatos apropriados para distribuí-lo: blog, boletim informativo por e-mail, ativos para download, vídeo etc.

Por fim, defina e acompanhe as métricas principais. No entanto, lembre-se: uma boa estratégia de marketing de conteúdo gera leads – mas ela não é imutável do início ao fim. É preciso acompanhar cada etapa e verificar a necessidade de ajustes sempre que o rumo não estiver de acordo com as metas de sua empresa.

Guia para mapear a jornada de seus clientes

Entenda quais são os canais utilizar, quando entrar em contato com seu cliente e o melhor tipo de mensagem para ser utilizada.

Como fazer Marketing de Conteúdo?

Chegou a hora de começar o seu planejamento de Marketing de Conteúdo! Vamos aprender como fazê-lo? Confira a seguir. 

1. Planejamento da estratégia de conteúdo

Nesse momento, você vai apenas planejar o que escrever, certo? Errado! O Marketing de Conteúdo vai muito além de escrever. Na verdade, essa parte é mínima se comparada com o todo. Antes de mais nada, é preciso definir os objetivos, as estratégias que serão usadas para alcançá-los e quais métricas serão avaliadas.  

Pense com a gente: o planejamento é tudo aquilo que vem antes de começar a criar conteúdo de fato e abarca a escolha de temas, de linguagem, de editorias, de palavras-chave e até de como as informações serão apresentadas no blog. Além disso, é hora de estabelecer os resultados que você deseja obter com o Marketing de Conteúdo. 

2. Definição de objetivo e indicadores 

Toda estratégia deve perseguir um objetivo que traga benefícios reais para o negócio! É claro que os objetivos e indicadores vão mudar conforme as estratégias utilizadas e o comportamento do público-alvo da empresa, porém se você está dando seus primeiros passos no Marketing de Conteúdo e ainda tem dúvidas sobre quais objetivos definir, nós elencamos alguns bem importantes abaixo. 

  • Gerar brand awareness;
  • Aumentar o engajamento com a marca;
  • Educar o mercado e o público;
  • Gerar conversões;
  • Diminuir o custo por venda;

Depois de assentar os objetivos, é o momento de pensar nos KPIs. Aqui, é de extrema importância que essa determinação seja bem feita, pois são esses dados que definirão se as suas campanhas e conteúdos estão performando conforme o esperado. 

Algumas características de um bom KPI são:

  • Ser importante: na hora de escolher as métricas que serão usadas como KPI, é crucial que elas possuam impacto no alcance do objetivo. Escolher uma métrica de “vaidade” ou só porque possui uma performance melhor nela é perigoso;
  • Ser simples de entender: um KPI não pode ser um índice extremamente complicado. Ele deve ter fácil entendimento para que possa ser compartilhado de maneira clara com todo o time;
  • Ser facilmente mensurável: para que possa ser colocado em contexto e associado a um objetivo, é necessário ser mensurado de forma simples. Um KPI de número de assinantes de e-mail, por exemplo, é facilmente medido e atrelado a uma meta de 10% de crescimento ao mês;
  • Ser capaz de levar à ação positiva: esse é o ponto mais importante. Se a análise de seus KPIs não trouxer atitudes para melhorar a posição da empresa em relação a seus objetivos, você escolheu os KPIs errados.

A seguir, vamos mostrar um objetivo e quais KPIs podem ser observados para acompanhar o sucesso:

Objetivos e KPIs do Marketing de Conteúdo

ObjetivoKPIs
Brand Awarenesscurtidas e número de seguidores nas redes sociais (Instagram, TikTok, Twitter…); visualizações no YouTube e visitas no site. 
Engajamento com a marcaCompartilhamento em redes sociais, itens salvos no Instagram, número de páginas visitadas no site, baixa taxa de rejeição, comentários em postagens
Educação do mercadoNúmero de páginas visitadas no site, subscribers em sua newsletter e assinantes do feed RSS
Geração de leadsconversões em landing pages, crescimento da base de contatos
Geração de vendasNúmero de vendas; número de leads. 
Lifetime ValueTempo de contrato de cada cliente. 

LEIA MAIS: KPIs de Marketing Digital: como definir e monitorar

3. Definição de Personas


Um dos pilares do Marketing de Conteúdo é que você não quer atrair qualquer pessoa para seu site. Você quer a pessoa certa, aquela que realmente tem perfil para se tornar cliente. É por isso que todo planejamento deve ser fundamentado no conhecimento sobre a sua persona, buscando ajudá-la em todas as suas dores e conduzi-la pelo funil de vendas.

O conceito de persona é totalmente diferente do de público-alvo. Enquanto o público-alvo é baseado na descrição de um grupo demográfico que você procura atingir, a persona é uma descrição semi-fictícia do seu perfil de cliente ideal.

Semi-fictícia porque o processo de criação de personas passa por entrevistas aprofundadas com seus melhores clientes, na tentativa de identificar traços comuns entre eles e que devem se repetir nos futuros clientes. Vamos dar um exemplo mais didático. 

  • Vamos supor que o público-alvo de uma determinada marca de chocolates pode ser descrito como homens e mulheres jovens, entre 15 e 25 anos, que estudam ou estão ingressando no mercado de trabalho e preferem esse chocolate específico por causa do preço atrativo.

    Essas informações não dizem muito sobre as preferências das clientes, como elas pensam ou agem, certo? Então essa marca entrevistou alguns de seus clientes mais fiéis e traçou um perfil composto pelas características que melhor descrevem seu cliente ideal.

O resultado disso é a persona Maíra, uma jovem universitária de 22 anos que trabalha meio expediente como estagiária, gosta de sair aos finais de semana para dançar, preza pela saúde do seu bolso buscando economizar sempre e adora consumir conteúdos sobre culinária e confeitaria. Como a persona é mais detalhada, ela te permite ações mais certeiras, como produzir um conteúdo perfeito para ajudar mulheres como a Joana.

Além disso, conhecer sua persona é fundamental para mapear a jornada de compra do seu cliente ideal, o passo a passo que ele segue do momento em que encontra você até a hora em que toma a decisão de realmente comprar.

4. Funil de Vendas e Conteúdo: como encaixar na sua estratégia 

O funil de vendas já é usado há muito tempo pelos profissionais de marketing porque é uma maneira simples de ilustrar o processo de vendas, do primeiro contato com o público até o momento em que a venda é efetivada.

Assim como um funil é capaz de receber muito volume no topo mas, no fim, deixa passar pouca matéria; o funil de vendas demonstra que, das muitas pessoas que chegam a você, apenas uma parcela passará por todo o processo e chegará de fato a se tornar cliente. Essa representação é extremamente importante para classificar em que ponto da conversão um possível cliente se encontra e quais esforços são necessários para levá-lo para a próxima etapa até que ele chegue à decisão de compra.

Tradicionalmente, boa parte do processo de vendas é feito pelo time comercial. No entanto, podemos usar o Marketing de Conteúdo para tornar esse processo ainda mais eficiente hoje em dia, encurtando o ciclo de vendas. Logo, se queremos usar o conteúdo para otimizar o processo de vendas, temos que pensar em conteúdos que ajudem no andamento de cada uma das etapas do funil.

LEIA MAIS: Mobile Marketing: como fazer?

5. Conteúdo para topo do funil

O topo do funil é a etapa do aprendizado e da descoberta. O público aqui ainda não está buscando soluções para nenhum problema. Muitas das vezes, ele nem sabe que há um problema a ser resolvido e está apenas buscando se informar.

Por isso, o objetivo do topo do funil é atrair a atenção para a descoberta do problema e levar o público para dentro do processo de venda. Desse modo, leve em conta que o leitor ainda não possui um relacionamento com a sua marca e entende pouco do seu serviço. Por isso, seu conteúdo deve ter pouca ou nenhuma barreira de consumo e jamais deve ser publicitário.

Crie conteúdos interessantes, que farão com que ele retorne ao seu blog com frequência e se familiarize com sua marca. Isso pode ajudar a trazer o visitante para dentro do funil, levando-o, futuramente, a fechar negócio com sua empresa.

6. Conteúdo para meio do funil

O meio do funil é a etapa do reconhecimento e da consideração. Sendo assim, as pessoas aqui já descobriram que possuem uma necessidade e estão procurando maneiras de resolver seus problemas. Por essa razão, já é possível criar uma barreira maior para o consumo do conteúdo, como um formulário com mais campos, que transformará um interessado em lead.

O conteúdo do meio do funil também é diferente do topo do funil. Posts de blog, conteúdos interativos e multimídia continuam sendo uma boa opção, mas devem ter um foco maior em soluções do que em informar. Por serem uma ótima maneira de se conseguir leads qualificados, ebooks e whitepapers são cruciais no meio do funil.

Webinars, além de ajudarem a sanar dúvidas dos leads, também são uma poderosa maneira de se posicionar como um grande expert na sua área de atuação, colocando sua solução entre as que o leitor está cogitando.

ASSISTA: WhatsApp: Como engajar clientes através de jornadas e aumentar o ROI

7. Conteúdo para fundo do funil

O fundo do funil é a etapa da decisão, onde a conversão finalmente acontece. É nesse estágio que as pessoas estão considerando adquirir o seu produto ou solução. Dessa forma, o público busca informações que ajudem a tomar essa decisão – assim, quanto mais conteúdo relevante eles acessarem sobre o seu produto ou serviço, melhor para você.

Por isso, os materiais de fundo devem ser abertamente focados na sua empresa ou no que ela vende. Depoimentos e cases de clientes são bons exemplos de conteúdos para essa etapa, pois mostram como sua empresa já resolveu problemas semelhantes e pode fazer isso pelo novo cliente também. Landing pages com ofertas específicas como descontos, testes do produto, dentre outras, também podem ser o impulso final para a venda. 

8. Conteúdo para o pós-venda

Se você acha que a produção de conteúdo termina junto com o funil de vendas, saiba que não é bem assim. Na verdade, construir conteúdos para o pós-venda também ajuda a reter os clientes que já foram conquistados, diminuindo definitivamente o seu churn

Aqui, vale apostar em posts de blog, infográficos, webinars e qualquer outro formato que gere valor para quem já faz parte da sua carteira de clientes. Produzir conteúdos exclusivos para os seus consumidores também pode ser algo incrível, que fortalece a relação entre de fidelização.

LEIA MAIS: Leads: o que são, como gerenciar e mais

9. Definir os seus canais

Agora que você já tem uma persona bem estruturada e um funil de vendas traçado, é hora de escolher em quais canais de aquisição de clientes investir. Ou seja, onde você vai distribuir seu conteúdo. Nessa altura, é importante ressaltar que um bom canal é aquele onde a sua persona está. Não adianta postar conteúdo no Twitter se a sua persona sequer conhece essa rede social, por exemplo.

Além disso, escolha apenas canais aos quais você poderá se dedicar de verdade. É preferível não estar em um canal do que ter uma presença ruim, que só posta de vez em quando e nunca cria um relacionamento de fato. Dito isso, vamos aos principais canais de aquisição que existem atualmente, suas vantagens e alguns dados:

Blog

Ele é o alicerce de uma estratégia de Marketing de Conteúdo, porque oferece uma gama de possibilidades, tanto em tipos de conteúdo suportados como em opções para converter os leads e gerar mais oportunidades de negócio.
Porém, o maior benefício do blog para uma estratégia é que todo tráfego que você consegue para o blog é seu. Você não fica sujeito a perder toda a sua audiência com um tráfego emprestado de outra plataforma, como acontece nas redes sociais. Além disso, o simples ato de postar em blog impulsiona o tráfego do seu site. 

Redes Sociais

É impossível pensar em uma estratégia de Marketing de Conteúdo que não inclua redes sociais. Isso porque os benefícios dessas plataformas são muitos — divulgação da marca, engajamento da audiência, geração de tráfego para o blog e de oportunidades para vendas etc.

Vídeos

O uso de vídeos em sua estratégia de Marketing de Conteúdo é uma iniciativa poderosa para aumentar a sua autoridade no mercado e educar seu público e que deve crescer ainda mais nos próximos anos.

Uma das grandes vantagens do conteúdo em vídeo é que ele é de fácil consumo em vários tipos de dispositivos, como celulares, tablets etc. Além disso, esse formato possui uma alta percepção de valor por quem assiste, ao passo que é mais barato e fácil de fazer do que parece.

Materiais ricos

Materiais ricos são peças como ebooks, templates e white papers, que possuem um conteúdo ainda mais valioso e informativo do que posts de blog.

Produzir materiais ricos é uma excelente maneira de mostrar que sua empresa é autoridade em algum assunto. Afinal, você tem conhecimento o suficiente para falar sobre aquilo com profundidade e ainda educar o mercado. Mas o maior valor desses materiais está na sua capacidade de gerar leads e aumentar sua base de contatos.

Email

Aqui sempre é importante falar que não, o email marketing não morreu. Pelo contrário, embora seja desacreditado por muita gente, o email é um dos canais com maior ROI (retorno sobre o investimento) em uma estratégia de Marketing de Conteúdo.

Além disso, ele oferece vantagens muito boas, como a previsibilidade de alcance e o custo baixo, já que você precisa apenas de uma ferramenta e um analista para realizar os disparos e sabe exatamente quantas pessoas receberam, abriram e clicaram na sua mensagem.

10. Produção de conteúdo


É aqui que o planejamento toma forma. Por mais produzir os conteúdos parece uma tarefa operacional, ela está longe de ser repetitiva, exigindo pensamento criativo e pesquisa a cada nova produção. Por isso, conteúdos de qualidade exigem investimento de tempo e dedicação. No entanto, ao seguir determinadas etapas, o processo pode se tornar descomplicado. Veja a seguir.  

  • Escolha de palavras-chave
  • Escolha o formato do conteúdo
  • Preocupe-se com a escaneabilidade (tornar o texto atrativo ao olhar)
  • Realize uma revisão atenta
  • Otimize o texto para os motores de busca (SEO)
  • Divulgue o conteúdo (redes sociais, e-mail, materiais ricos…)

LEIA MAIS: Captação de Leads: O que é e como fazer?

11. Crie uma máquina de geração de leads

Com os leads na sua base, é preciso trabalhá-los para que elas sigam para a próxima etapa do funil e estejam cada vez mais preparadas para serem abordadas pelo time de vendas. A melhor maneira de fazer isso é através do que chamamos de nutrição de leads. Isto é, “alimentar” seus leads com conteúdo de maneira a obter cada vez mais informações sobre elas, ao mesmo tempo em que aumenta o interesse e o conhecimento sobre sua empresa.

12. Mensuração da estratégia de conteúdo

A análise dos resultados é um dos momentos mais delicados de toda a estratégia de Marketing de Conteúdo. É por meio dela que você vai descobrir o que está funcionando e o que não está, e assim fazer as correções de percurso necessárias.

Cada métrica tem uma frequência ideal de mensuração. Algumas são diárias, algumas semanais e temos métricas, até mesmo, semestrais. Para saber a frequência ideal de acompanhamento, é preciso conhecer bem cada uma delas e descobrir o tempo de coleta de dados ideal para obter relevância estatística.

Por exemplo, checar o custo de aquisição de clientes (CAC) diariamente é desnecessário, já que esse número tende a ser mais estável e são necessários muitos acontecimentos para provocar uma mudança relevante. Por outro lado, checar o tráfego do seu site nessa frequência pode fazer sentido, pois uma queda de apenas algumas horas pode significar um impacto enorme em todo seu funil de vendas.

Vale dizer que o ROI é uma das métricas mais importantes para toda estratégia de Marketing de Conteúdo. Ele é usado para medir a eficiência de um investimento, expresso através de porcentagem. Para calcular seu ROI, basta pegar o que você ganhou em uma ação, menos o quanto você gastou e dividir pelo quanto você gastou. É uma medida bem simples de trabalhar que serve para dar uma noção geral da performance de qualquer tipo de investimento.

LEIA MAIS: Veja como os clientes da Salesforce melhoraram o ROI e a produtividade de CRM 

Como um CRM ajuda a melhorar o seu Marketing de Conteúdo?

Um CRM pode ser o seu melhor amigo na hora de implementar e acompanhar a sua estratégia de Marketing de Conteúdo. A seguir, você confere algumas funcionalidades do software que podem fazer a diferença no dia a dia da equipe de marketing. 

Integração de plataformas e integrações

Além de permitir a integração e o cruzamento com diferentes plataformas, um CRM também capta as informações dos clientes e faz a integração em um único banco de dados. 

Dessa forma, é possível fazer análises e cruzamento de dados de maneira mais eficiente, o que contribui para que o processo de tomada de decisões seja cada vez mais eficaz. Além disso, a ferramenta realiza o mapeamento das interações com os clientes, o que ajuda na melhoria da experiência do consumidor com o seu negócio.

Análises e  geração de relatórios em tempo real


Um CRM permite que relatórios sejam gerados de maneira automatizada. Com isso, você pode tomar decisões estratégicas na área de marketing e vendas e, assim, alcançar melhores resultados na sua empresa.

Recursos que ajudam na produtividade

Automação de marketing é outra vantagem do CRM. Com elas, é possível otimizar a produtividade da equipe. Por exemplo, você sabe como montar uma persona para o seu negócio se as principais informações utilizadas estão descentralizadas? Difícil, não é mesmo? Por isso, reunir todos os dados relevantes é um passo essencial para uma estratégia de sucesso.

Além disso, o CRM permite que você e a sua equipe registrem todas as atualizações de forma automática. Enviou um e-mail para fazer o contato inicial com o cliente em potencial? É possível integrar a sua ferramenta ao servidor de e-mail e, assim, otimizar a sua rotina de trabalho. Também é mais fácil realizar a segmentação dos leads com todas as informações disponíveis na ferramenta.

Mapeamento da jornada do cliente

Entender em qual etapa está o cliente na sua jornada de compras também facilita a criação de estratégias mais precisas. Mas como saber todos esses detalhes se cada vendedor mantém seus próprios registros? O CRM chega justamente para evitar a perda de informações e a criação de silos de dados,  facilitando o acesso aos dados mais relevantes para suas ações futuras.

Você pode utilizá-lo para segmentar as suas campanhas de e-mail marketing ou para qualificar ainda mais o lead antes de disponibilizá-lo para o time de vendas. Além disso, o uso desse software permite que você não envie materiais repetidos para um lead que não está pronto para recebê-los.

O mais importante é entender qual é a necessidade do cliente em cada momento, ou seja, com um processo de personalização eficiente, a tendência é que as chances de sucesso do negócio cresçam de forma considerável.

LEIA MAIS: Ferramentas de automação de marketing e cultivo de leads B2B 

Gostou de saber mais sobre Marketing de Conteúdo?

Deu para ver que o Marketing de Conteúdo, quando bem utilizado, pode ser um grande aliado do seu negócio, né? Porém, fique atento para seguir os nossos passos com cuidado e atenção, levando em consideração as especificidades do seu produto ou serviço e segmento de mercado.

Para ficar por dentro das melhores práticas e novidades sobre Marketing, CRM e Vendas continue navegando pelo nosso Centro de Recursos e entre em contato para saber mais sobre o Salesforce. Bons negócios e até a próxima!

Extraindo valor de dados First-Party com Customer Data Platform

Salesforce Brasil

Somos uma plataforma de gerenciamento de relacionamento com o cliente (CRM) baseada na nuvem, que permite com que empresas possam gerenciar e integrar todas as suas operações, como vendas, marketing, atendimento, ecommerce e TI em um lugar só.

Mais de Salesforce