Empresas de serviços em nuvem de todos os portes… a nuvem é para todos. A nuvem é democrática.”

Marc Benioff | CEO da Salesforce
 

O mundo do software está em constante mudança e evolução. Quando a Salesforce.com foi inaugurada, em 1999, tratava-se do primeiro serviço empresarial a oferecer aplicativos de negócios em um site normal, que acabou sendo chamado pelo mercado de computação na nuvem. Desde então, a Salesforce tem sido a pioneira em cloud computing para empresas de pequeno, médio e grande portes.

Em outras palavras, a computação na nuvem aproveita a conectividade e a megaescala da Internet. A computação na nuvem democratiza o acesso a recursos de software de nível internacional, pois um aplicativo de software atende a diversos clientes. A multilocação é o que diferencia a computação na nuvem em relação à terceirização ou a modelos de provedores de serviços de aplicativos mais antigos. Agora, as empresas de pequeno porte têm a capacidade de dominar o poder da tecnologia avançada de maneira dimensionável.

A computação na nuvem oferece aos indivíduos e às empresas de todos os portes a capacidade de um pool de recursos de computação com boa manutenção, seguro, de fácil acesso e sob demanda, como servidores, armazenamento de dados e software de aplicativo. Isso proporciona às empresas maior flexibilidade em relação a seus dados e suas informações, que podem ser acessados em qualquer lugar e hora, sendo essencial para empresas com sedes ao redor do mundo ou em diferentes ambientes de trabalho, abrangendo locais remotos. Com o mínimo de gerenciamento, todos os elementos de software da computação na nuvem podem ser dimensionados sob demanda: você precisa apenas de uma conexão à Internet.

 

De uma forma simples, computação em nuvem (cloud computing) é uma tecnologia que permite acesso remoto a softwares, armazenamento de arquivos e processamento de dados por meio da internet, sendo assim uma alternativa à execução em um computador pessoal ou servidor local. 

 A computação na nuvem oferece aos indivíduos e às empresas a capacidade de um pool de recursos de computação com boa manutenção, seguro, de fácil acesso e sob demanda.

 
cloud computing utiliza uma camada de rede para conectar desde os dispositivos de ponto periférico  dos usuários, como computadores, smartphones e acessórios portáteis, a recursos centralizados no data center. Antes da computação na nuvem , a execução confiável de software pelas empresas que forneciam serviços apenas era possível se elas pudessem também pagar a conta da manutenção da infraestrutura dos servidores necessários. Além disso, o software tradicional exigia normalmente uma equipe completa de profissionais de TI, interna ou terceirizada, para lidar com o inevitável desfile de erros, desafios de serviços e upgrades. O conceito de computação na nuvem está livre de todos esses problemas  e requisitos ultrapassados.
Essas nuvens podem ser configuradas e modeladas de diferentes maneiras pelos provedores de nuvem para atender às necessidades de cada empresa.
 
O modelo SaaS  - software como serviço de computação na nuvem - concentra-se em disponibilizar o aplicativo de software ao usuário por meio de uma interface de navegador ou de programa. Com esse modelo, a rede subjacente, o sistema operacional e os recursos funcionam nos bastidores. Essa é uma aplicação muito popular da computação na nuvem: estima-se que 59% do total das cargas de trabalho na nuvem serão de SaaS até 2018.
 
O modelo PaaS - plataforma como serviço - pode aproveitar os benefícios da computação na nuvem enquanto mantém a liberdade de desenvolver aplicações personalizadas de software. Os usuários podem acessar a PaaS da mesma maneira que fazer com o aplicativo SaaS. O provedor é responsável pela manutenção do sistema operacional, da rede, dos servidores e da segurança. Pode haver também abstrações em nível de aplicativo que aceleram o desenvolvimento de aplicativos e a implementação de vários dispositivos. Fora essas abstrações de nível mais elevado, uma plataforma tradicional em execução em um pool remoto vai gerar alguns benefícios de capacidade flexível, mas não se pode esperar que acelere a inovação da empresa.
 
O modelo IaaS - infraestrutura como serviço - vai um passo além na abstração, proporcionando às organizações a capacidade de aproveitar recursos brutos do servidor enquanto o restante do gerenciamento da plataforma e do software é de responsabilidade na empresa. Isso permite capacidade extra sem a preocupação com requisitos de hardware.
 

Então, por que a pressa em adotar esse avanço tecnológico? Um motivo: a computação na nuvem dispensa o hardware. Quando uma empresa fornece seu próprio software, é preciso pensar nos servidores. Esses servidores exigem uma fonte de alimentação dedicada e peças de substituição. Precisam também de configuração e monitoramento em relação a questões de desempenho e exigem especialistas de plantão para resolver problemas.

Quando o software é baseado na nuvem, essas preocupações e os custos flutuantes - e potencialmente altos - com infraestrutura desaparecem substancialmente, pois os custos são previsíveis. O provedor de computação na nuvem é responsável por lidar com essas preocupações. Ele deve assegurar que o processo seja tranquilo e ininterrupto em troca de um custo de software fixo e razoável.

A computação na nuvem é extremamente segura, muitas vezes superando os níveis de segurança da computação tradicional, permitindo que as empresas atraiam e mantenham uma equipe de segurança cibernética de alta qualidade versus funcionários de TI internos. Ela permite também implementar práticas e tecnologias de segurança de ponta, orientadas por uma visão mais ampla dos padrões globais de ameaças em relação àquelas da maioria dos governos locais. Com dezenas ou centenas de usuários possivelmente em risco de exposição a programas maliciosos, manter as organizações seguras pode ser muito caro.

Os provedores de cloud computing trabalham com um orçamento bem maior. Como precisam garantir a segurança de todos os clientes, cada empresa obtém benefícios do grande grupo, significando um nível de segurança mais elevado para todos. Com uma infraestrutura fortalecida, monitoramento cuidadoso e aplicação de protocolos de segurança, a computação na nuvem pode oferecer a empresas de pequeno a médio porte a mesma proteção das organizações com requisitos altamente exigentes.

A computação na nuvem tem a capacidade de colocar todos no mesmo nível. Não importa se você tem dezenas ou milhares de usuários na plataforma, a computação na nuvem democratiza o aplicativo de software corporativo. Com flexibilidade para aumentar ou reduzir o compartilhamento de um cliente no pool rapidamente, algumas vezes de modo automático, o usuário final normalmente não precisa estar ciente do que acontece na nuvem. O usuário precisa apenas fazer login e trabalhar na tarefa.
 
  • Sob demanda: Não é preciso consultar alguém ou ter um profissional de TI envolvido no provisionamento do servidor ou do armazenamento na rede. Você tem a capacidade de computação necessária quando precisa.
  • Multiplataforma: Basta ter uma conexão à Internet para acessar o serviço em seu laptop, tablet, smartphone ou computador desktop.

  • Recursos em pool: Segue o modelo de multilocatários, o que significa que há vários usuários do software.

  • Flexibilidade rápida: O usuário tem uma experiência que é dimensionada com base na demanda e na utilização real. Imagine um hotel que possa mudar o tamanho da cama de queen size para king size no mesmo "quarto".

  • Serviço medido: A utilização de recursos é monitorada, controlada e relatada antecipadamente. Isso torna a capacidade de computação essencialmente a mesma em relação a um serviço de utilitários pago.

 
No mundo da computação, uma nuvem representa uma vasta rede de cabos, servidores e serviços de software fornecidos. Vamos observar com mais detalhes algumas das diferentes opções de nuvem:
  • Diversas empresas podem usar de maneira simultânea, mas separadamente.
  • O provedor da nuvem é responsável pela manutenção e segurança.
  • Diferentes empresas ou organizações reúnem em pool seus recursos na nuvem para resolver um problema comum.
  • Constituída de uma só organização com sua própria nuvem de servidores e software para a utilização sem um ponto de acesso público.
  • Composta de duas ou mais infraestruturas de nuvens distintas que permanecem como entidades únicas, mas que estão unidas por uma tecnologia padronizada ou proprietária.
 
 
Toda essa capacidade abriu a possibilidade de soluções e aplicações de software criativas para muitos setores. Ao remover a barreira da experiência técnica necessária para configurar e manter a infraestrutura, as empresas podem custear uma alternativa segura, confiável e personalizável. Como a maioria dos provedores de SaaS e PaaS também consome outros serviços na nuvem, cada nova empresa abre mais oportunidades com potencial de mudar o mercado para as empresas e seus funcionários.